A Warren Destaques Finanças pessoais

Reserva de emergência na poupança? NÃO!

Saiba porque a poupança não é lugar para deixar sua reserva para imprevistos

A reserva de emergência é considerada um dos investimentos mais importantes na vida de uma pessoa, juntamente com a aposentadoria. Ao possuir um valor separado para eventuais imprevistos, você evita passar por apertos desnecessários ou deixar de fazer aportes nos seus investimentos.

Mas qual é o melhor investimento para criar uma reserva de emergência?

Bom, é necessário que o produto possua uma boa rentabilidade, baixo risco e alta liquidez. Ou seja, é ideal que o produto tenha previsão de um bom retorno, possua baixa volatilidade e que você possa resgatar rapidamente, caso precise.

A poupança atende a estes requisitos? Não! 

Após um 2019 com quedas consecutivas da taxa básica de juros, a Selic está em 4,5% ao ano. Com isso, a poupança está com um rendimento anual de 3,15%. Além disso, desde dezembro, essa rentabilidade está abaixo da inflação do país e, conforme projeções econômicas para 2020, o cenário não deve mudar.

OU SEJA, quem tem dinheiro na poupança, está vendo seu patrimônio se desvalorizar.

Além disso, o seu dinheiro precisa fazer “aniversário” de 30 dias na poupança para (não) rentabilizar. 

Ainda assim, conforme dados divulgados pelo Banco Central no início de janeiro, os depósitos em cadernetas poupança, em 2019, superaram os saques em R$ 13,32 bilhões.

Você possui dinheiro na poupança? Conhece alguém que possui? Não se sinta culpado por isso. Historicamente, o mercado tem influenciado culturalmente as pessoas a “investirem” na poupança e nós estamos aqui para mudar este cenário.

A boa notícia é que o jogo já está começando a virar

Esta entrada de recursos em 2019 é menor do que em 2018, quando os depósitos na poupança superaram os saques em R$ 38,2 bilhões. E, conforme você pode conferir no gráfico, abaixo, foi a menor entrada líquida de recursos desde 2016:

Quais são, afinal, os melhores produtos para criar uma reserva de emergência?

Os fundos de renda fixa que possuem uma parte alocada em títulos públicos e outra em crédito privado são ótimas opções para o cenário econômico que vivemos no Brasil atualmente. São produtos considerados de baixo risco que possuem liquidez diária e rendem bem mais do que a poupança. 

Dica da Warren: na hora de escolher um produto, não esqueça de saber a taxa de administração dele. O mercado é cheio de armadilhas e você pode acabar com um produto que é aparentemente bom, mas que cobra uma taxa que minimiza a sua rentabilidade, o que o torna, na verdade, um produto péssimo.

Mas esse é o tipo de coisa que, se você investir com a Warren, não precisa se preocupar.

Aqui, você paga uma taxa única para fazermos a gestão total dos seus investimentos, independente do produto que você investe. Os nossos produtos têm taxa zero e, caso você escolha investir em produtos de terceiros, nós devolvemos a comissão que recebemos.

O nosso fundo Warren Fundo de Crédito Privado (Warren Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Renda Fixa. CNPJ: 30.271.177/0001-93) , por exemplo, tem mostrado ótimos resultados e é uma boa opção para este fim. Confira os resultados dele em dezembro do ano passado, em 2019 e desde o seu início:

Acesse a lâmina com os resultados de Crédito Privado aqui.

Já é cliente Warren e quer começar a sua reserva de emergência para proteger os seus objetivos dos imprevistos? Clique aqui e crie seu novo objetivo.

Ainda não é cliente Warren, mas quer começar a investir melhor? Comece agora!

Importante: esta publicação possui natureza informativa, não devendo ser entendido como recomendação de qualquer investimento ou sugestão de alocação por parte dos destinatários. Os ativos financeiros e/ou as carteiras de investimentos discutidas neste material podem não ser adequadas para todos os investidores, tendo em vista que os objetivos de investimento, situação financeira e necessidades de cada investidor podem variar. Para avaliação da performance de um fundo de investimento, é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou do Fundo Garantidor de Crédito – FGC. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. Leia o prospecto, o formulário de informações complementares, lâmina de informações essenciais e o regulamento antes de investir.

%d blogueiros gostam disto: