A Warren Finanças pessoais

Os ingredientes certos para a sua carteira

Muitos clientes ficam curiosos sobre como escolhemos os ativos, os fundos e outros produtos que formam as carteiras. Saiba como nosso time de gestão atua

Muitos clientes ficam curiosos sobre como nós escolhemos os ativos, os fundos e outros produtos que formam suas carteiras. Essa seleção individual do que vai compor os percentuais de alocação nas classes de ativos é uma etapa importante para a montagem de um portfólio, após saber qual é a tolerância ao risco e os objetivos do cliente.

É praticamente um ritual culinário: você escolhe a receita, seleciona os ingredientes, organiza tudo e inicia o preparo.

Analogias à parte, o critério essencial da seleção de cada ativo que compõe a carteira segue uma premissa muito simples: dentro da tolerância ao risco do cliente, vamos sugerir o ativo com a melhor relação risco e retorno. Nosso algoritmo faz isso de uma forma interessante, que explico melhor mais abaixo. 

LEIA MAIS | Como é o serviço de Wealth Management e carteira administrada da Warren

Mas você deve estar se perguntando: não é isso que todo mundo faz? Não. Por dois motivos:

  • O primeiro é que, na maioria dos casos, o que vemos por aí é um foco em produtos individuais, não na carteira como um todo. É difícil sugerir uma parcela sem pensar na sua relação com as outras. 
  • O segundo motivo é mais profundo e não tem nada a ver com teoria financeira e retorno ajustado ao risco. A verdade crua e sangrenta é que, para o investidor em geral ‒ não para os de altíssimo capital e poder aquisitivo ‒ o modelo de negócios disseminado no mercado financeiro brasileiro funciona baseado em comissão por produto. Quem paga a remuneração da pessoa que oferta o ativo ‒ na maioria das vezes uma pessoa bem intencionada ‒ é o produto, não o cliente.

Então é uma venda comissionada.

A decisão de ofertar e de ranquear um produto se dará pela comissão ganha na venda. E quanto mais produtos forem empurrados, melhor para o modelo de negócios e não para o cliente, que nem vê o que está pagando. Às vezes, ainda acha que é de graça. 

Já no modelo fee based, o investidor sabe o que está pagando. Ele vê o custo exato na frente dele. É cobrada uma taxa de carteira gerida e é isso. Todas as comissões e rebates recebidos voltam para o cliente. Nesse modelo, já muito disseminado nos Estados Unidos, o consultor ganha no longo prazo, por meio de uma relação de confiança para o crescimento do patrimônio sob gestão.

Assim, é mais fácil entregar algo que tenha qualidade e que seja baseado em métricas objetivas. O cliente ganha com transparência, melhor seleção de ativos, em segurança e retorno ao longo do tempo.

Quando não há a adrenalina, a droga química da comissão, a racionalidade entra em cena. A objetividade aparece, pois é possível criar um ambiente para somar tecnologia e inteligência humana. Há espaço para unir o que já existe há décadas de estudo na academia e na prática empírica com a tecnologia atual.

Sem um modelo conflitado, enviesado, fica mais fácil utilizar o melhor que a teoria financeira e a prática empírica têm a oferecer para os clientes.

Como funciona na Warren?

Criamos um algoritmo chamado Índice Warren de Seleção de Ativos que, de acordo com a classe do ativo, utiliza diversas medidas consolidadas na academia para filtrar e ranquear os ativos que serão sugeridos. Isso é importante, pois é natural que as pessoas caiam no que a economia comportamental chama de viés de retrovisor: a nossa tendência de se basear apenas nos retornos passados.

É como as imagens de doenças e frases horrendas em embalagens de cigarro. Ninguém para de fumar por conta delas. Assim é o investidor que ignora os disclaimers que dizem que “retorno passado não é garantia de retorno futuro”.

LEIA MAIS | O futuro do mundo: retorno ajustado à ética

Para sair dessa, como nenhuma medida é perfeita, utilizamos várias: alpha de Jensen, sharpe, habilidade de Britto, Sortino ratio, máximo drawdown, número de dias em máximo drawdown, volatilidade, VaR, beta (se fizer sentido à classe), semivariância (muito interessante, utilizamos com 3 variações do cálculo), Treynor, downside risk, calmar, coeficiente de assimetria, coeficiente de curtose e outras. 

Sim, todas têm nomes esquisitos, nenhuma é autoexplicativa. Não se preocupe com isso, pois é tudo conosco. A intenção por trás dessas medidas é mensurar risco, retorno, e encontrar relações ao longo do tempo entre esses dois fenômenos.

Algumas delas se sobrepõem e queremos isso mesmo. Para reduzir o viés do período de tempo, utilizamos vários períodos para cada medida. Como é um algoritmo de filtragem e não de previsão, abrimos mão da parcimônia momentaneamente. Como ponderamos o algoritmo para calcular o índice final é feita de diversas formas, que fomos calibrando com o tempo.

O resultado final é entregar para o cliente ativos que tenham um bom retorno ajustado ao risco, com pouco viés de período, em uma trajetória sem grandes quedas. Tudo isso com uma experiência mais macia de investimento, a fim de que o investidor não desista de investir e permaneça alocado, para maximizar sua riqueza.

LEIA MAIS | Como é feito o rebalanceamento pela gestão da Warren?

Sabemos, por pesquisas em economia comportamental, que a trajetória do investimento é tão importante quanto a expectativa final de retorno acumulado. Muitas desistências no caminho por conta de solavancos acabam por enterrar a maximização dos retornos e o crescimento patrimonial.

Como nenhum modelo ou algoritmo é perfeito e o cérebro humano é o mais complexo computador de todos, a sensibilidade dos nossos consultores e gestores de relacionamento também entra em cena para que as carteiras sejam as melhores possíveis para os clientes.

LEIA MAIS | Como fugir dos maus investimentos

Nesse modelo de negócio, os profissionais atuam como chefs de cozinha que acordam de madrugada e vão no Mercado Público escolher os peixes e os legumes mais frescos. O motivo? Simplesmente porque é do interesse deles que os pratos sejam os melhores. É assim que o cliente volta. É assim que eles ganham estrelas Michelin.

Por isso, não serve colocar um tempero que não combina com a comida, apenas porque está na moda ou porque vai ganhar comissão daquele fornecedor de especiaria. A lógica é a mesma para os seus investimentos.

Invista nos melhores produtos do mercado, em carteiras alinhadas com seus objetivos de vida e com transparência. Abra a sua conta na Warren agora, de graça!

* Esse texto faz parte da nossa Warren Magazine, um conteúdo que é enviado mensalmente a todos os nossos clientes. 

%d blogueiros gostam disto: