destaque Produtos

O futuro do mundo: retorno ajustado à ética

Investir em empresas sustentáveis e socialmente responsáveis é uma tendência global que veio para ficar

Criamos nosso Fundo Warren Green por uma crescente demanda dos nossos clientes. Intuitivamente, muitos deles não buscam apenas retorno ajustado ao risco, mas à ética. Observamos que essa demanda surge no contexto de um mundo que está mudando cada vez mais rápido.

LEIA MAIS | Conta remunerada, fundo de sustentabilidade… as novidades da Warren

Hoje existem US$ 30,7 trilhões aplicados em ativos de investimentos sustentáveis nos cinco maiores mercados mundiais, um crescimento de 34% em apenas dois anos. Nos Estados Unidos, US$ 1 de cada US$ 4 está alocado em investimentos de responsabilidade socioambiental.

Investe-se em sustentabilidade, pois esse tema está cada vez mais próximo do cotidiano de cada um. Não é mais algo abstrato, distante da vida diária.

Profundas mudanças econômicas e ecossistêmicas ocorrerão: reestruturações em sistemas de energia, urbanismo, infraestrutura e industriais. 

No relatório do Goldman Sachs publicado em setembro, chamado de Taking the Heat, os autores demonstram que são as cidades, em especial as maiores do mundo, que estarão na linha de frente da adaptação climática. 

A construção da resiliência climática das cidades tem o potencial, segundo pesquisas, de ser o driver de uma das maiores construções de infraestrutura da história e provavelmente irá requerer fontes inovadoras de financiamento. As cidades são o epicentro do desafio climático: 55% da população mundial mora nelas, em torno de 80% de todo o PIB mundial é produzido nelas e 75% dos recursos naturais da terra são consumidos por esses centros. Obras de proteção costeira, como as bilionárias que já são feitas em Nova York, Copenhagem e Xiong´an, na China, são algumas das adaptações urbanas que irão requerer muitos recursos. 

Novas revoluções vão acelerar ainda mais a transformação do mundo e de seus objetos. Os materiais que compõem nossas roupas, cidades, veículos irão mudar radicalmente nas próximas décadas por conta de aplicações de pesquisas como a de Neri Oxman, uma arquiteta e designer americana-israelense, professora do MIT Media Lab, criadora do grupo de pesquisa Mediated Matter. 

Neri cunhou o termo “Ecologia Material” para designar sua área de trabalho, que visa a aplicar princípios do Design inspirados e criados pela natureza, em uma combinação de biologia, computação, arquitetura e engenharia de materiais. Suas pesquisas ainda não afetaram a produção industrial, mas assim como centenas de outras tecnologias criadas no MIT nas últimas décadas, não tardará até que suas inovações ganhem escala mundial.

Seja por destino ou por design, Bill Ackman, um conhecido gestor de hedge funds, e Neri se apaixonaram, casaram, e esperam um filho. 

União entre finanças e revolução ambiental

O mundo das finanças e a revolução ambiental e social estão se unindo. Haverá, nos próximos anos, cada vez mais Green Bonds e muitos outros ativos voltados à crescente necessidade de uma relação harmoniosa entre o ser humano, a cultura e a natureza. É possível que no futuro, Fundos como o Warren Green sejam a norma e não a exceção.  

Na bolsa brasileira, a B3 vem percebendo uma aceleração da demanda do investidor por investimentos sustentáveis. Segundo fontes da empresa, não há uma semana em que investidores não solicitem ratings de sustentabilidade das companhias ou reuniões sobre o tema. 

Com o Warren Green, queremos incitar que toda a empresa que possui forte ética socioambiental abra seu capital, para que os investidores em geral possam investir nessas iniciativas diretamente ou via fundos como o nosso. 

Lá fora isso já é realidade. Nos homebrokers dos Estados Unidos e da Europa, quando o investidor abre a aba informativa de uma ação para comprá-la, ao lado dos dados de mercado de volume, preço, beta, capitalização de mercado, gráfico de rentabilidade e outros, estão os scores ambientais, sociais e de governança da Reuters. Queremos que os investidores brasileiros também tenham acesso a isso

Investimento ajustado à ética X Rentabilidade

Será que precisa abrir mão de rentabilidade para investir assim?

Em um estudo de 2015, o Morgan Stanley avaliou o desempenho de fundos com critérios de sustentabilidade que existiam há pelo menos sete anos. O resultado: os retornos eram iguais ou maiores do que os de fundos tradicionais em 64% dos casos. A volatilidade era igual ou menor. Se você fizer a conta do retorno ajustado ao risco, como pelo índice Sharpe, o resultado será melhor, portanto. Há um relacionamento positivo entre investimento corporativo em sustentabilidade e preço da ação e performance operacional. 

Os atributos de ESG – Environmental, Social e Governance – culminam em menor custo de capital, maiores valuations para as empresas, maior rentabilidade e menor exposição de riscos de cauda. Danos e crimes ambientais são eventos de cauda de difícil previsão, evitados por essas empresas. 

Uma pesquisa do Jornal de Portfolio Management de 2015 afirma que mudanças positivas nas características de ESG de uma empresa podem ser preditores de melhor performance no mercado acionário. 

Warren Green: performance alinhada com valores de vida

O Warren Green é um fundo de investimento exclusivo para clientes Warren. Diversificado entre empresas que implementam boas práticas sociais, ambientais e de governança, busca os melhores rendimentos sem deixar a responsabilidade e os seus valores de lado.

Ficou interessado? Entre para a lista de espera clicando aqui.

* Esse texto faz parte da nossa Warren Magazine, um conteúdo que é enviado mensalmente a todos os nossos clientes.

1 comentário em “O futuro do mundo: retorno ajustado à ética

  1. Pingback: Os ingredientes certos para a sua carteira - Blog da Warren

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: